quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

                                                       
A procura de Jesus  

O céu pontilhado mirado de estrelas prende minha atenção,
Hó como são belas exclamei ao meu Deus mas as colocou tão longe no firmamento mostrando o sol o velho monge que no mundo dominava e refugia seu poder, meu pensamento metânio voou pelas regiões a percorrer e a este que somente a todos ilusões tem dado, aproximei-me do sol e perguntei: SOL tu que 
és o monarca da natureza, que tudo reges e esquadrinha desde as alturas, sabes me dizer onde está o meu Jesus? e o sol espargindo sua luz maravilhosa respondeu-me onde está? não me atrevo.

E o meu coração cheio de incertezas começou a chorar e a sentir falta de Jesus,
aproximei-me da lua e perguntei: lua? tu que és a rainha da noite, amiga, terna, e doce,sabes me dizer onde está o meu Jesus? e a lua porém nada me respondeu.
desanimada voltei a terra fui a procura das cascata que sussurrante começou a cantar e perguntei; sabes me dizer onde está o meu Jesus? e a cascata também nada me respondeu.
Dirigi-me por fim a um grande jardim e perguntei as rosas porventura nas tuas pétalas entre cépolas e micépolas guardas tu o meu Jesus?
E as rosas desfolharam-se e vi que Jesus lá não estava.e comecei a dizer ouvi falar que ele é manso e vive entre os humildes mas nem se quer uma florzinha ousou de me responder hó como feliz eu seria se encontrasse o meu Jesus no céu na terra no mar em tudo está Deus mas Jesus o amado meu não encontrei procurei no sol na lua nas flores na cascata mas não encontrei Jesus o meu grande amor.

Em cima de uma mesa está uma bíblia e comecei devagarzinho suas paginas a desfolhar e disse ; Ó BÍBLIA Ó MINHA BÍBLIA tu que em tantas páginas encerra que mostras a luz o caminho dize-me onde está o meu Jesus? e a BÍBLIA desfolhou-se e vi em S. MARCOS 14 e 62, E Jesus disse-lhe:EU SOU, E VEREIS
O FILHO DO HOMEM ASSENTADO A DIREITA DO TODO PODEROSO e vindo sobre as nuvens do céu. então compreendi que Jesus não tem perpetua habitação neste mundo de pecado de dor e de ilusão,foi neste livro que aprendi a dizer que a direita do bom Deus Jesus está se hoje você tem está incerteza e que receber está grande luz LEIA A BÍBLIA ela vos dirá onde está o meu e o teu bom Jesus.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Os Dois Caminhos

TODOS: "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem" Mt 7: 13- 14.

1. Jesus não veio destruir e nem descumprir a lei e os profetas.

2. Jesus demonstrou aos seus ouvintes que é impossível entrar no reino dos céus seguindo a doutrina dos escribas e fariseus, uma vez que nem mesmo eles haviam alçando a justiça de Deus.

3. Jesus apresenta exemplos práticos de como é impossível entrarem no reino dos céus através do cumprimento da lei, quando apresentou aos seus ouvintes o inatingível espírito da lei “Eu, porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para cobiçá-la, já em seu coração cometeu adultério

4. Jesus demonstra que a lei e os profetas resume-se em um só mandamento: ‘amar o próximo como a si mesmo’

5. A parábola das duas portas e dos dois caminhos é a resposta para a impossibilidade do homem salvar-se Jesus demonstra que o reino dos céus continua inacessível aos seguidores da doutrina dos fariseus.

TODOS: Somente após entrar pela porta estreita o homem alcança justiça superior a dos escribas e fariseus.

1. Na essência o Sermão do Monte é igual ao diálogo de Jesus com Nicodemos, porém, o Sermão do Monte tinha como alvo o povo, e o diálogo com o Mestre em Israel, tinha como alvo o homem erudito.

TODOS: Ora, tudo o que foi demonstrado no Sermão do Monte, Jesus também revelou a Nicodemos, conforme o apóstolo João deixou registrado no seu Evangelho:

1. Era impossível Nicodemos entrar no reino dos céus, embora representasse o melhor da religião, do conhecimento, do comportamento, e da moral humana.

2. Jesus demonstra que a doutrina que Nicodemos seguia não o conduziria à salvação, antes, era necessário nascer de novo.

3. Da mesma forma que, para um Mestre é necessário nascer de novo, para o povo era necessário entrar pela porta estreita.

TODOS: Por que é preciso nascer de novo? Por que é necessário entrar pela porta estreita? Para escapar do caminho espaçoso que conduz à perdição

1. Quando Jesus disse que era necessário Nicodemos nascer de novo, Ele estava demonstrando que era impossível Nicodemos alcançar a vida eterna seguindo a doutrina dos fariseus.

2. O maior problema de Nicodemos não era a prática da lei, ou o ser descendente de Abraão, elementos que ele considerava ser o caminho que dá acesso a Deus.

3. Qual o maior problema de Nicodemos? O maior problema estava em ele trilhar o caminho que conduz a perdição. Quando Nicodemos entrou pela porta larga? O que ele fez para ter acesso a essa porta? O que é a porta larga?

4. O homem entra pela porta larga através do nascimento natural por nascer de uma semente corruptível, a semente de Adão. Somente é possível entrar pela porta estreita quando o homem nasce de novo, através da Palavra de Deus, a semente incorruptível.

5. Ou seja, tanto a porta larga quanto a porta estreita são 'acessadas' por meio do nascimento. A porta larga é acessada quando os homens vêem ao mundo, quando nascem da semente de Adão (a semente corruptível). Da mesma forma, a porta estreita só é acessada através do novo nascimento, quando o homem nasce da semente de Deus.

6. Nicodemos precisava nascer de novo uma vez que ele era nascido segundo Adão. Ele era filho da ira e da desobediência. Por mais que ele procurasse seguir os quesitos da lei, o seu caminho era de perdição, pois a porta que Nicodemos havia entrado era a porta larga, e como 'muitos', ele seguia para a perdição.

TODOS: Por meio da fé na mensagem do evangelho o homem nasce da semente incorruptível e tem acesso ao caminho apertado. São 'poucos' os que encontram a porta estreita, se comparado aos que entram pela porta larga.

1. Verifica-se então que a parábola dos 'dois caminhos' refere-se à necessidade do novo nascimento, e que o cumprimento da lei diz respeito ao amor ao próximo, e não à salvação, como muitos pensavam.

2. Se a lei fosse para a salvação, não seria preciso Moisés clamar ao povo, logo após a entrega da lei, o seguinte:"Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz" Dt 10: 16.

TODOS: 'entrar pela porta estreita' é o mesmo que 'viver em Espírito', ou seja, decorrem do ‘novo nascimento’. Andar no caminho apertado que conduz a vida é o mesmo que 'andar em Espírito', ou seja, andar como filhos da Luz.

DÉBORA, UMA MULHER CORAJOSA


TODOS: A vida de Débora é um exemplo de que a coragem independe de sexo e de força física, mas é uma disposição firme de servir a Deus, a despeito de todas as circunstâncias.

1. Débora, além de ser um exemplo de coragem, é uma demonstração de que a cultura não se confunde com os desígnios divinos e que devemos sempre discernir o que é cultural do que é divino.

2. Débora viveu no período dos juízes, período da história de Israel cuja duração é incerta e fomenta muitas discussões entre os estudiosos da Bíblia, que transcorreu entre a morte de Josué, após a conquista da Terra, e a escolha de Saul como rei. Levando-se em conta que a Bíblia afirma que o templo começou a ser construído 480 anos depois da saída dos filhos de Israel do Egito, no quarto ano do reinado de Salomão(I Rs.6:1).

3. - Era este o estado de coisas na vida de Israel quando surge a figura de Débora no texto sagrado. “Débora”(em hebraico, “Devorá”) significa “abelha” designa uma pessoa que possui uma força de vontade excepcional. Ela luta com grande determinação para alcançar seus objetivos. “Embora muito cautelosa, quando confia em alguém se revela uma companheira doce e amigável”

4. - A Bíblia muito pouco fala sobre a vida de Débora. Surge ela, no texto sagrado, pela vez primeira, em Jz.4:4 e, fora esta passagem histórica do período de seu ministério, nada mais se fala sobre ela nas Escrituras. Sabemos, apenas, que ela era profetisa, mulher de Lapidote (em hebraico, “Lapidot”, cujo significado é “tochas”) e que julgava a Israel, entre Ramá e Betel, nos montes de Efraim, o que nos dá a entender que era da tribo de Efraim. Os estudiosos da Bíblia costumavam datar este período por volta de 1.120 a.C.

5. - A primeira qualidade de Débora que o texto sagrado destaca é o fato de ser “mulher profetisa”, circunstância que vem antes até do nome do seu marido, a demonstrar que, ante os olhos de Deus, mais valem as características espirituais do que as obtidas sobre a face da Terra. Débora era uma “mulher profetisa”, alguém que tinha se tornado porta-voz de Deus em meio a um povo pecador e idólatra. Que firmeza demonstrou Débora para servir a Deus em meio a uma geração perversa. Quanta luta Débora enfrentou quanto teve de renunciar para se manter separada do pecado e do mundo. Mas tudo isto levou a pena, porque Deus tinha uma comunhão toda especial com a Sua serva, fazendo-lhe Seu porta-voz, pois, em sendo Débora profetisa, não havia segredos entre ela e Deus (Am.3:7).

6. - O fato de Débora ser chamada no texto de “mulher profetisa” e, logo a seguir, ser dito que era “mulher de Lapidote”, também nos revela algo muito importante: o fato de Débora ser uma profetisa, ter sido elevada a juíza de Israel, não alterou a sua posição na sociedade. Débora alçara uma posição que jamais uma mulher havia obtido e que jamais viria a obter novamente na história de Israel daquele período.

7. - Débora não queria ir à batalha. Sabia que não tinha condição nem preparo para liderar uma guerra. Por isso, sabendo que esta era uma típica função masculina, guiada pelo Espírito de Deus, chamou a Baraque, que foi tão somente o comandante do exército de Israel e não juiz, como alguns israelitas “machistas” insistem em afirmar ao escreverem a história sagrada.

8. - A ascensão de Débora à posição de juíza em Israel está relacionada com a “frouxidão”, a “fraqueza”, a “vacilação” dos homens de seu tempo. O homem mais valoroso, que era Baraque, era “fraco”, estava “vacilante”, não demonstrava “firmeza”, mesmo tendo sido convocado pela profetisa, por alguém que tinha plena comunhão com Deus. Como não havia homens dispostos a ser firmes na Sua presença, Deus levantou uma mulher para este papel.

9. - A vitória de Baraque esteve vinculada à obediência com relação ao momento e ao local indicados pelo Senhor para a batalha. Baraque somente desceu do monte Tabor com seus homens quando Débora lhe disse que era aquele o dia em que o Senhor havia determinado a vitória sobre o inimigo (Jz.4:14

TODOS: DÉBORA – A “ABELHA” MÃE EM ISRAEL

10. Neste ponto, aliás, vemos que o nome de Débora, ou seja, “abelha”, tem muito a nos ensinar sobre a personalidade desta mulher, sobre o que a Bíblia pouco fala. Como se sabe, a abelha é uma das criaturas mais impressionantes sobre a face da Terra, cuja organização social é uma lição que devemos aprender sempre.

11. Débora não poderia ter se mantido calada a maior parte do tempo, falando apenas àqueles que se dirigiam à região das palmeiras. Era necessário que também tivesse descido aos montes e anunciado, ao longo do caminho, bem como no lugar de distribuição de água, a respeito das justiças do Senhor, justiças que eram referentes a todas as aldeias de Israel, não apenas aos bons solos entre Ramá e Betel. Não nos calemos, mas, antes, preguemos o Evangelho a tempo e fora de tempo (II Tm.4:2), ainda mais quando sentimos que já se aproxima o fim.

TODOS- Não é por outro motivo que, em seu cântico, Débora apresenta uma conclamação do Senhor a todos quantos se assentavam em juízo: “Onde se ouve o estrondo dos flecheiros, entre os lugares onde se tiram águas, ali falai das justiças do Senhor, das justiças que fez às Suas aldeias em Israel; então, o povo do Senhor descia às portas”(Jz.5:11).